logo insp copy

ptenfr

Dia Mundial das Hepatites Virais assinalado com campanhas de sensibilização e encontro virtual

O Dia Mundial da Hepatite é celebrado todos os anos a 28 de julho, com objetivo de aumentar a conscientização sobre a prevenção, o diagnóstico e o tratamento da Hepatite Viral, uma doença causada por vírus responsáveis por elevados níveis de morbidades e mortalidade a nível mundial, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

 “Futuro livre de hepatites” é o tema deste ano, com principal foco na prevenção da Hepatite B entre mães e recém-nascidos. 

 Banner Site copyNa ocasião da comemoração desta efeméride, este ano, a OMS apelou a todos os países a trabalharem juntos, no sentido de erradicar esta doença, que constitui uma ameaça à saúde pública, uma vez que só é possível um futuro livre de hepatite, através de esforços conjuntos.

Estudos realizados pela OMS revelaram que, cerca de 4,5 milhões de mortes prematuras poderiam ser evitadas em países de baixa e média renda até 2030, por meio de vacinação, testes de diagnóstico, medicamentos e campanhas de educação.

Para a referida organização internacional, é preciso: vacinar todos os recém-nascidos contra a hepatite B, com pelo menos duas doses de vacina; testar as mulheres grávidas para hepatite, HIV, e sífilis, e oferecer-lhes o tratamento, caso for necessário e; alargar acesso aos serviços de prevenção, teste e tratamento de hepatite.

Em tempos da pandemia da COVID-19, a Hepatite Viral continua a ceifar vidas, diariamente. Nesse contexto, a OMS recomenda ser essenciais os serviços de prevenção e assistência à hepatite, designadamente, imunização infantil, serviços de redução de danos e tratamento contínuo da hepatite B crónica, mesmo durante a pandemia.

De acordo com esta organização, das cinco principais cepas do vírus da hepatite, conhecidas como tipos A, B, C, D e E, os tipos B e C levam a doenças crônicas em centenas de milhões de pessoas e também a mortes relacionadas à Hepatite Viral.

Dados da OMS estimam que cerca de 325 milhões de pessoas, em todo o mundo, vivem com Hepatite B e/ou C, e que 57% dos casos de cirrose hepática e 78% dos casos de câncer primário de fígado são causados pelos vírus das Hepatites B e C.

Considerado como sendo um grande problema de saúde pública, a 63° Assembleia Mundial da Saúde, realizada em maio de 2010, estabeleceu o dia 28 de julho como o Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites Virais.

Em resposta à luta contra esta doença, foi aprovada a Estratégia Global de Hepatite Viral da OMS, que visa reduzir as novas infeções por hepatite em 90% e as mortes em 65% entre 2016 e 2030.

Cabo Verde

Neste dia 28 de julho o país não ficou indiferente à convocação mundial a ação contra as hepatites virais. O Instituto Nacional de Saúde Pública, com o objetivo de promover a informação e a sensibilização da população sobre a enfermidade, em parceria com o programa de Luta contra Doenças de Transmissão Sexual incluindo o VIH/SIDA, Tuberculose e Lepra iniciou uma campanha de sensibilização nos órgãos de comunicação social (televisão, rádios nacionais e comunitárias e redes sociais) para prevenção da doença e organizou uma reunião técnica (via zoom) para a discussão sobre hepatites virais, principalmente no contexto da pandemia do novo coronavírus.

Esta reunião que teve lugar na manhã desta terça-feira 28, contou a com a participação de vários parceiros, instituições e sociedade civil, nomeadamente Programa de Saúde Sexual e Reprodutiva, VERDEFAM e CCSSIDA.

E de entre as várias recomendações saídas do encontro técnico destaca-se a questão de reforçar as ações de comunicação e sensibilização sobre as hepatites virais junta das comunidades, isso através das redes das estruturas de saúde, associações comunitárias, organizações da sociedade civil, escolas e comunidades.

promover e fortalecer as perecerias com a sociedade civil e elevar ao mesmo patamar de preocupação e intervenção as questões de hepatites aos de VIH/SIDA;

Trabalhar para maior disponibilização de teste aos grupos chaves como grávidas, reclusos, entre outros para um diagnóstico cada vez mais precoce e reduzir assim, a transmissão vertical;