logo insp copy

ptenfr

Dia Mundial da Saúde assinalado sobre o lema “Construindo um mundo mais justo e saudável”

O Ministério da Saúde e da Segurança Social, continuará a envidar todos os esforços necessários para garantir, que tal como a nossa Constituição determina, todos e em todos os lugares tenham o acesso justo e adequado aos cuidados que precisam para ter uma vida mais saudável. Este foi o compromisso reafirmado hoje pelo Ministro da Saúde e da Segurança Social, Arlindo do Rosário, durante o Atelier para assinalar o Dia Mundial da Saúde, promovido pelo Instituto Nacional de Saúde Pública.

A cerimónia teve lugar esta manhã, na Praia, presidido pelo Ministro da Saúde Arlindo do Rosário e contou com a presença do Represente da Organização Mundial da saúde em Cabo Verde, Hernado Agudelo, da Presidente do INSP, Maria da Luz Lima, do Diretor Nacional da Saúde, Jorge Noel Barreto, entre outras instituições, sectores e sociedade civil.

Para Arlindo do Rosário, assinalar este Dia Mundial da Saúde em plena pandemia da covid-19, onde diariamente, em cada país e em cada comunidade, regista-se momentos de angústias, incertezas e perdas, todos estão sendo relembrados das fragilidades, das vulnerabilidades e desigualdades que muitas vezes determinam que algumas pessoas podem ter um acesso justo e adequado aos serviços de saúde e uma vida mais saudável, enquanto outras, pela sua posição, estatuto e voz na sociedade e devido às condições em que nascem, crescem e vivem possam ver este acesso limitado ou dificultado. “É necessário aceitarmos que esta situação não é apenas injusta, mas pode e deve ser prevenida e combatida! É por isso que este ano somos chamados a juntos unirmo-nos a esta nova campanha para construirmos um mundo mais justo e mais saudável.”

Por isso considerou também que o acesso justo e equitativo aos serviços e cuidados de saúde está preconizado na nossa constituição, bem como no centro daquilo que nos define como sistema de saúde, como profissionais de saúde e em última análise como seres humanos.

O Represente da OMS em Cabo Verde, Hernando Agudelo, disse que os lideres devem em espírito de solidariedade trabalhar em conjunto para vencer as desigualdades dentro e fora dos seus territórios principalmente no que diz respeito a distribuição das vacinas. A OMS exorta os governos, a sociedade civil e as comunidades, neste Dia Mundial da Saúde a colaborarem para o alcance da Cobertura Universal da saúde e a aumentarem a equidade em saúde, para todos em qualquer lugar.

Para OMS, Cabo Verde tem bons indicadores de saúde, nomeadamente na questão do acesso às vacinas e cuidados de saúde primários e sobretudo na esperança média de vida que constitui um dos indicadores que pode medir o acesso a equidade em saúde, mas isso não quer dizer que “já se consegui tudo”. Hernando Agudelo salientou que apesar dos bons indicadores ainda há muito trabalho a se fazer nomeadamente no aumento dos recursos humanos, o acesso aos cuidados terciários de saúde entre outros.

Durante o Atelier foram apresentados vários temas entre os quais uma Conferencia sobre a Promoção da Equidade em Saúde: iniquidades nas estratégias de combate à covid-19 pelo Secretário Executivo da Rede dos Instituto Nacionais de Saúde Pública da CPLP, Júlio Félix Rosenberg por videoconferência. O tema Ação global sobre equidade em Saúde: alinhando prioridades e parcerias foi proferido pela Ponto Focal da OMS-CV para a promoção da saúde e determinantes sociais da saúde, Edith Pereira. A Secretária Executiva da Plataforma das ONG’s, Dirce Varela abordou o tema Agindo sobre os determinantes da Saúde: participação e liderança comunitária.

O Atelier foi organizado em formato presencial e online contou com a participação e varias outras instituições e sectores.

Todos os anos, no dia 7 de abril é celebrado o Dia Mundial da Saúde. Este ano a efeméride é assinalado sob lema “Construindo um mundo mais justo e saudável”.

Os paises, governos, sociedade civil e comunidades são chamados a dar a contitnuidade as atividades da Cobertura Universal da Saude, a OMS apela aos líderes que garantam que todos tenham condições de vida e de trabalho que favoreçam uma boa saúde, que monitorem as iniquidades em saúde e garantam que todas as pessoas tenham acesso aos serviços de saúde de qualidade quando e onde precisarem.

Todas as autoridades são chamados a investir no fortalecimento dos sistemas de saúde, sobretudo para responder a pandemia da COVID-19, proteger as pessoas de ameaças futuras à saúde e tornar a justiça em saúde uma realidade.