logo insp copy

ptenfr

INSP alerta a população para melhores práticas de higiene de alfaces como forma de reduzir os riscos para saúde pública.

O Instituto Nacional de Saúde Pública (INSP) chama atenção da população em geral no sentido de higienizarem melhor as alfaces antes do seu consumo, como forma de prevenirem doenças transmitidos por consumo desse vegetal mal higienizado.

alface

Um estudo realizado em novembro de 2019, para avaliação das alfaces comercializadas no município da Praia, pelo Laboratório de Controlo de Qualidade de Água e Alimentos do INSP, revelou que 100% das amostras analisadas apresentaram contaminações por parasitas intestinais, sendo 57 % de contaminação por helmintas e 43% por protozoários.

As estruturas parasitárias  encontradas foram quistos, ovos e larvas. Foram identificados  15 espécies de parasitas, algumas com importância em  saúde Pública, nomeadamente Ascaris lumbricoides (conhecida por lombriga), Entamoeba histolytica,  os  Ancilostomídeo (Ancylostoma duodenale, e Necator americanus ) e Strongyloides stercoralis.

Segundo os resultados a maioria dos parasitas encontrados, 64%, são de origem humana, ou seja, o homem é o seu principal hospedeiro.

Entretanto, as amostras do cultivo hidropónico apresentaram menor diversidade parasitária em relação com as amostras de cultivo tradicional.

As conclusões do estudo apontam que as alfaces comercializadas nos estabelecimentos comerciais no município da Praia, estão contaminados com uma grande variedade de helmintes e protozoários intestinais. Isto pode representar um risco para a saúde dos consumidores, se medidas adequadas de higiene e desinfeção não forem adotadas.

 

O que são parasitas intestinais?

São parasitas que infectam o trato gastrointestinal em humanos e outros animais.

 

Como ocorre a contaminação por parasitas intestinais?

Pode ocorrer por absorção pela pele e pela ingestão de água e alimentos contaminados.

Os parasitas podem estar presentes no solo, na água e no intestino dos homens e dos animais, podendo então em contacto com os alimentos contaminar e se ingerido sem a devida higienização pode causar doenças ao consumidor.

 CapturardSua presença em alimentos que que são consumidos crus é considerada um indicador de contaminação de origem fecal-oral, direta ou indireta.

 A contaminação fecal direta dá-se através da ingestão de água e vegetais contaminados com ovos, quistos ou larvas. Já a contaminação indireta pode ocorrer através de águas poluídas e de aguas residuais ou de esgoto.

A contaminação de vegetais com estruturas parasitárias pode ocorrer em vários estágios de sua cadeia produtiva e comercial, principalmente através das: más condições sanitárias do cultivo em campo; uso de fertilizantes; má qualidade da água usada para irrigação e lavagem; processos inadequados de armazenamento, transporte, exposição e manuseio por indivíduos infetados, bem como pelo contato com moscas, ratos e animais domésticos. No entanto, a contaminação parasitológica ocorre frequentemente durante o cultivo de vegetais, principalmente devido ao uso de fontes de água contaminadas e fertilizantes orgânicos para irrigação e fertilização do solo, respetivamente.

Quais as doenças que algumas destas parasitas podem causar ao homem?

Algumas destas parasitas estão associados com regularidade aos casos de diarreia. Os sintomas caracterizam-se por diarreia aquosa, acompanhada de febre baixa, dores abdominais e náuseas. Em indivíduos desnutridos e com imunidade baixa, a gastroenterite pode durar várias semanas, levando a um quadro de desidratação grave.

Podem ocorrer também afeções extraintestinais, ou seja, em diferentes órgãos e sistemas como no fígado, terminações nervosas periféricas (botulismo), má formação congénita (toxoplasmose), entre outros.

 

Medidas de higiene e desinfeção a adotar em casa, para reduzir os riscos de consumo de alface contaminado:

Alimentos como frutas, legumes e hortaliças devem ser higienizados corretamente, tendo em vista que esses podem ser consumidos crus.

A correta higienização elimina os microrganismos incluído os   parasitas causadores de doenças.

Para higienização de hortaliças, frutas e legumes, recomenda-se (figura a seguir):

  1. Selecionar, retirando as folhas, partes e unidades deterioradas;
  2. Lavar em água corrente vegetais folhosos como alface, rúcula, agrião, folha a folha, incluindo frutas e legumes um a um;
  3. Colocar de molho por 15 minutos em água com lixivia ou utilizando produto adequado para este fim (ler o rótulo da embalagem), na diluição de 200 ppm (1 colher de sopa para 1 litro), deixando os alimentos totalmente submersos nesta solução por, no mínimo, 15 minutos;
  4. Enxaguar em água corrente vegetais folhosos, folha a folha, e frutas e legumes um a um;
  5. Fazer o corte dos alimentos para a montagem dos pratos com as mãos e utensílios bem lavados;
  6. Manter sob refrigeração até a hora de servir.

  Capturar copy copy copy

 

Saúde Pública

De acordo com dados divulgados pela OMS, estima-se que a cada ano cerca de dois milhões de pessoas morrem em decorrência de doenças diarreicas, de maneira que muitas delas são adquiridas através da ingestão de alimentos contaminados.

A fim de evitar as doenças decorrentes de alimentos contaminados recomenda-se que as mãos sejam lavadas regularmente, antes, durante e depois do preparo dos alimentos, durante o manuseio de objetos sujos, depois de tocar em animais, depois de ir ao banheiro, e em outras situações; assegurar que o alimento servido seja selecionado frescos com boa aparência os quais antes do preparo devem ser bem lavados e desinfetados.